terça-feira, abril 17, 2007

Há vida para além da net

É verdade. Há uma vida quando aquela luz branca (do monitor) finalmente se apaga. Aliás, para mim só há vida quando essa luminosidade se extingue. Não é que despreze a força que este meio tem nas relações pessoais, nada disso, mas a verdadeira vida, aquela onde as pessoas são pessoas, existe lá fora. Cá fora. É sem monitor que as coisas realmente existem. Todas as coisas. Não só as almas mas também as caras e os corpos…

Aqui divirto-me. Só! Sem grandes seriedades, com muito respeito, verdadeira e puramente. Honestamente. Aqui mostro a parte mais despreocupada de mim para quem a quiser – como eu – desfrutar. Sem grandes preocupações de forma nem conteúdo. Apenas persigo cativar uma coisa – a diversão no seu estado mais inocente e, por isso mesmo, sublime. É só isso que me interessa. Claro que pelo percurso as coisas, as pessoas, se podem adensar. Não o procuro, nem nunca o fiz ou farei, mas é óbvio que, respeitando toda a gente por igual, há pessoas com, e pelas, as quais a interactividade se vai estreitando. Tem tão só a ver com o facto de tudo isto se fazer com pessoas, e essas precisarem umas das outras para estar. Mas essas saem daqui. Vão para a vida. Para a minha vida. E os encontros aqui mantêm-se, e manter-se-ão, sempre, sempre, no estado onde começaram inicialmente – a tal da diversão. O resto, quando há e se houver trata-se lá fora. Com voz, e se possível com olhos.

Aqui estou sozinho, quando quero ou posso. Simplesmente isso. Lá fora estou sempre e faço parte de uma coisinha singela e dinâmica chamada mundo, que não precisa de mim para continuar a girar, mas que também conta comigo por e para isso mesmo. E eu lá vou girando com a certeza de que mais cedo ou mais tarde terei de voltar sempre aqui. Para quê? Lá está, para me divertir!

Resumindo, aqui, na net, está Outro; eu estou cá fora.
.
(não sei se te lembras, mas em tempos discutimos sobre o “efeito de ramo de noiva” que os posts têm. Pois bem, este ramo, apesar de atirado de costas, também eu o vou a correr tentar apanhar)

14 Comments:

Blogger Fallen Angel said...

( Apanhando o ramo e perguntando: )

- O que faço eu com isto?

( E cuidado com a resposta... não mo mandes meter...

.. na jarra. )

2:53 da tarde  
Blogger Just_me said...

Concordo contigo, ao dizeres que existe vida lá fora…É importante que as pessoas tenham noção que a net nunca deve substituir a vida real... Mas que é um bom refúgio é,
e como o tempo passa depressa atrás do monitor sem darmos por isso… Adoro este convivio, as amizades que se vai ganhando...

:-))

4:15 da tarde  
Blogger Just_me said...

Este comentário foi removido pelo autor.

4:16 da tarde  
Blogger bjecas said...

Existe gente lá fora sim senhor.
Fui agora à janela e vi a minha (mamalhuda) vizinha da frente...

\m/

6:56 da tarde  
Blogger BIGMAC said...

Outro, cuidado com esse ramo, quando o atiras no mundo "real" verifica primeiro se não existem Castelos Brancos na boda, isto se fores a correr de costas.

Grande abraço agora e outro "reENCARNADO" para o proximo ano.

8:36 da tarde  
Blogger MEU DOCE AMOR said...

É assim como:"há vida depois da morte"?

Concordo contigo.Lá fora costumamos ser "outros" e aqui seremos "outros".

Será?

O que se passa aqui não é um reflexo de nós próprios?

Percebi o que disseste.Há vida e muita.Toca a desfrutar.

Beijinho doce

9:56 da tarde  
Blogger MEU DOCE AMOR said...

Fallen: essa da jarra é para mim?

Heim?

Metes as flores no lugar que mais achares conveniente.Se quiseres podes deitar fora.Há sempre quem as apanhe ...com sorrisos.

Não gostaste,foi?
Sorry

9:59 da tarde  
Blogger MEU DOCE AMOR said...

Ah! Fallen: o teu post está encantador.Por acaso ia até Casablanca.Tive uma tia ,em tempos,(anos trinta)que viveu lá.E sabia tocar nas teclas do piano.

10:02 da tarde  
Blogger Inha said...

Difícil, mesmo, é ser-se a mesma pessoa aqui e lá fora.

Mas acontece.


;)*

9:55 da manhã  
Blogger Fallen Angel said...

Meu Doce Amor quando eu penso que Vossa Senhoria não pode enlouquecer mais... você encarrega-se de me demonstrar o contrário superando-se continuamente. :-)

Porque haveria a jarra de ser para si?

Ou as flores?

E há quem as apanhe sim: fui eu, como afirmei. :-)

10:21 da manhã  
Anonymous cat said...

Outro...o menino anda baralhado!

Outros somos aqui....fora daqui...com olhos ou sem eles desfrutando e encaixando tudo que compoe um ramo (nao esse de que fala)...

10:30 da manhã  
Anonymous cat said...

claro que...pode sempre fazer dois singelos desenhos daqueles que aparecem nos "pasquins" e tentar descobrir as "7 diferenças" mas...aposto que n vai ser tarefa simples!

(e n bato mais :) )

10:31 da manhã  
Blogger OUTRO said...

caros participantes, responderei, claro, mas agora tenho de ir ali ser eu um dia inteiro

;))

10:37 da manhã  
Blogger OUTRO said...

fallen angel, o amigo sabe que~se eu tiivesse qq coisa para lhe dar não atiraria e muito menos de costas; manda a tua e a minha sensibilidade que eu lhe entregues as coisas olhos nos olhos...
agora larga lá o ramo que depois desrta conversa esse teu ar começa a ser muito suspeito ;)))

just_me, para ti um bj no monitor cheio de convívio realmente vivido
;)))))

comment deleted, acho que já tinha lido esse comentário noutro lado, mas concordo, sim

bjecas, a malta quer detalhes, interesso-me muito por vizinhas, mas tÊm de ser da frente :)

bigmac, conseguiste dar cabo de um comentário tão profícuo (castelo branco e encarnados...livra! eles q se fundam!)

abraço...impoluto

é mais: "há vida depois desta vida", doce amor, e sim, é um reflexo, tal como num espelho nós somos mais q aquela imagem (mas isso levar-nos-ia mais longe do q é suposto, não era?:))))

bjs diabéticos

inha, eu diria que difícil é lá, aqui é tudo fácil (principalmente com pessoas como a menina)
:))***

cat, eu fazia-lhe um desenho, mas preciso dos olhos e aqui não os tenho (ou consegue vê-los?), de qualquer maneira bata à vontade, que eu não sinto :)

já está, outro, vai lá à tua vida

10:40 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home